A CAÇA de Manoel de Oliveira, Portugal, 1964

A Caça, Manoel de Oliveira

24 Abril, 18h, Sala Zeca Afonso
21 minutos
Manoel de Oliveira

HOMENAGEM A MANOEL DE OLIVEIRA
Adelaide Teixeira, António Preto e Alexandre Alves Costa

Dois rapazes desocupados deabulam pelo campo. Simulam a caça (mas não tem espingardas), emaranham-se, perdem-se de vista, até que um deles cai no pântano, começando a afundar-se lentamente.
O Secretariado Nacional de Informação exigiu ao Manoel de Oliveira que alterasse o final do filme: “Foi nessa ocasião que os homens do SNI me impuseram a alteração do fim do filme, salvando o homem da mão amputada e o jovem que se afunda no pântano, como se lhes parecesse que salvavam o regime em vias de se afundar.”

Anúncios

FASCISMO, INC de Aris Chatzistefanou, Grécia, 2014

FASCISM, INC, Aris Chatzistefanou

Dia 24, 19h30, Sala Zeca Afonso
74 minutos
Aris Chatzistefanou

Uma viagem desde a Itália de Musolini, à Grécia da ocupação Nazi, a guerra civil e a ditatura e desde a Alemanha de Hitler até aos dias de hoje. Uma descrição das causas da crise da dívida, as consequências do memorando. A abolição da democracia e a liquidação absoluta de um país.
Este documentário intenciona inspirar os movimentos anti-fascistas de toda a a Europa. É, também, uma experiência totalmente independente pois não não financiado por nenhum partido ou entidade e cumpre a missão de circular livremente, sem custos e sem restrições de uso ou de difusão.

ADEUS, ATÉ AO MEU REGRESSO – Soldados do Império De Paulo César Fajardo, Portugal, 2007

ADEUS, ATÉ AO MEU REGRESSO – Soldados do Império, Paulo César Fajardo

Dia 24, 19h30, Sala Salgueiro Maia
85 minutos
Paulo César Fajardo

A Guerra Colonial terminou oficialmente em 1974. Um período negro e sombrio na História portuguesa. Explosões, sangue, gritos, pesadelos e o silêncio… sinais de um passado ainda mal digerido. Vamos assistir a testemunhos genuínos, que pelo mal estar que ainda provocam, justificam ainda hoje uma reflexão sobre a legitimidade e sequelas da Guerra do Ultramar.

ON EST VIVANTS De Carmen Castillo, França/Bélgica, 2015

On est vivants, Carmen Castillo

Dia 24, 21h45, Sala Zeca Afonso
100 minutos
Carmen Castillo
Estreia Nacional

De que é feito o engajamento político hoje em dia?
Será ainda possível desviar o rumo do mundo?
É com estas questões, num diálogo íntimo e político com o amigo Daniel Bensaïd, filósofo e militante recentemente falecido, que Carmen Castillo embarca numa jornada ao encontro daqueles que decidiram não aceitar o mundo que lhes é imposto. Dos sem-abrigo de Paris aos sem-terra brasileiros, dos zapatistas mexicanos aos moradores dos bairros dos subúrbios de Marselha, dos guerreiros da água da Bolívia aos sindicalistas de Saint-Nazaire, as caras que marcam essa viagem traçam um retrato do combate político nos nossos dias, feito de esperanças comuns, de sonhos íntimos, mas também de derrotas e desilusões. Como Daniel, eles dizem: “A história não está escrita, somos nós que a fazemos”.