25 de Abril 2022


10h30 Sala Miguel Portas
Desobedoquinho da Luísa Moreira
crianças dos 3 aos 8 anos (47′)

Pen Point Percussion de Norman McLaren 1951, 5’58 + Bolek i Lolek na wakacjiach “Morska przygoda” – (Aventura no mar) de Wladyslaw Nehrebecki 1966, 9’15 + Josué e o Pé de Macaxeira  de Diogo Viegas 2009, 11’56 + Mobile (Animation) de Verena Fels  2010, 6’25 + La Maison en Petits Cubes de Kunio Kato 2008, 12’03 


10h30 Sala Três Marias
Desobedoquinho da Luísa Moreira
crianças dos 9 aos 12 anos (56′)

I’m Here de Spike Jonze 2010, 31’47 +  Vincent de Tim Burton 1982, 5’53 + Danny Boy | Future Shorts de Marka Skrobeckiego 2010, 10’18 + Un Oeuf Is Enough de Federico Vitali 1996, 3’34 + Houston… We Have A Problem de Federico Vitali 1996, 3’13

Luisa Moreira

17h00 Sala Miguel Portas
comentado por Ike Bertels

Guerrilla Grannies de Ike Bertels
Holanda, 2013, 80’

Enquanto estudante politicamente comprometida, Ike Bertels viu um documentário da BBC sobre o movimento de libertação de Moçambique, a FRELIMO. Ike foi tocada pela imagem de 3 raparigas de guerrilha da sua idade a limpar as armas e a arriscar a sua vida na luta de 10 anos de libertação contra os colonos portugueses. A cineasta procurou-as e filmou-as, primeiro em 1984 e novamente em 1994, ganhou a confiança delas e tornou-se uma ‘outsider insider’ no mundo da Monica, Amelia e da Maria.


19h00 Sala Miguel Portas
comentado por Kitty Furtado


Behind the lines de Margaret Dickinson
Portugal, 1971, 53’

Documentário sobre a luta contra o domínio colonial português em Moçambique, com foco na organização da vida civil nas áreas libertadas. Filmado em 1970, na província do Niassa, foi feito com o apoio e cooperação do movimento de libertação moçambicano, FRELIMO.


21h30 Sala Miguel Portas
comentado por Jorge Campos

Batalha de Argel de Gillo Pontecorvo
Itália/Argelia, 1966, 132’

Filme em italiano, legendado em inglês. Versão restaurada 4k

Um autêntico documento da Guerra da Argélia, a qual culminou na independência em relação à França. Rodado integralmente na Argélia e protagonizado por Yacef Saadi, uma personagem fundamental da mobilização argelina revolucionária. 

Nomeado a 3 Oscars e vencedor do Leão de Ouro do Festival de Veneza do mesmo ano. Ali La Pointe (Brahim Hadjadj) é um gatuno analfabeto com um longo histórico criminoso, que vive nas ruas da Argélia. Após ser preso, num de seus vários regressos à prisão, assiste da janela da sua cela à execução de um preso vinculado ao nacionalismo argelino. Isto faz com que tome consciência da opressão colonial francesa sobre a Argélia e, após a sua fuga, decide alistar-se na Frente de Libertação Nacional, para se tornar num dos seus principais responsáveis.